segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Como aprender um segundo idioma?

FreeImages.com/ dog madic
Pense naquela música que estão cantando em inglês, mas você traduz para Sânscrito em tempo real... Sabe aquela frase em francês que você pronuncia muito bem em espanhol? Ou naquele evento de desenho japonês que você viu um monte de rabiscos e ficou querendo uma tatuagem com algum símbolo daqueles?
Não seria muito mais fácil se você realmente entendesse o que é aquele monte de palavras/símbolos que você acha que sabe?
Se você começou a ler este post com o intuito de conseguir uma fórmula mágica para aprender outra língua, por favor, vá ler outra coisa. Aqui não tem nenhuma receita miraculosa que vai fazer você aprender da noite para o dia.
Bom, já que você ainda quer saber como aprender um novo idioma ou aumentar seu vocabulário, quero dizer que isso só depende de você e mais ninguém. Cursos de idiomas são bons, ensinam, mas não bastam.
Eu digo que aprender um novo idioma é simples, mas não é fácil. Como assim? Simples, há três princípios a serem seguidos mais sete atitudes que devem ser tomadas para aquisição de uma segunda língua. Esse processo não vale para aquisição de Língua Materna, clique aqui e você vai entender o motivo.
Antes de falar dos princípios e das atitudes, tenho que chamar a sua atenção para quatro pontos importantes da aprendizagem, e isso serve para aprender tudo.
  • Significado
  • Relevância
  • Memória
  • Atenção

O que que isso tem de importante?
Bom, é importante que se saiba o significado da palavra/símbolo da outra língua. Se não há um dicionário por perto, a natureza proverá uma maneira de você entender o que está sendo dito.
A relevância depende dos seus interesses, isto é, eu posso falar uma série de palavras, construções gramaticais, mas quem pode dizer o que é realmente importante pra você é... Você!
Sempre memorize o que é relevante, não se preocupe em memorizar estruturas frasais que não se adéquam aos seus interesses, não se prenda ao Please accept our sincere apologies ou Je vous saurai gré de... ou até mesmo Que gusto de verlo. Mas se a sua intenção é aprender as estruturas formais, “cai dentro”...
A atenção deve ser voltada para todos os aspectos mencionados acima. Lembre-se, uma segunda língua é uma ferramenta a ser utilizada, aprender Esperanto só para dizer que sabe não é o melhor motivo, mas aprender Russo visando uma carreira na Rússia; aprender Alemão para lidar melhor com os textos de Heidegger; saber Espanhol para trabalhar na Espanha ou em qualquer outro país da América Latina, etc.
3 Princípios Para Aprender Um Novo Idioma:
1.          Foque no conteúdo que é importante para as suas necessidades – como disse, não perca tempo estudando coisas inúteis. Se o seu interesse é na área de negócios, não tem por que ficar decorando nomes de animais.
2.          Use sua nova língua como uma ferramenta de comunicação desde o primeiro dia – não adianta pagar caro num cursinho, comprar vários livros, ver horas de vídeos no YouTube e não praticar.
3.          O seu estado físico e psicológico importa, sim – começar a estudar qualquer idioma por obrigação fará com que o aprendizado se torne cada vez mais trabalhoso. Estude por prazer, não por obrigação, e se tiver que aprender faça-o da forma mais agradável possível.
Tendo esses princípios em mente, vamos para as...
7 Atitudes Para Uma Rápida Aquisição De Um Novo Idioma:
1.          Ouça de tudo – músicas, notícias, filmes, tudo isso SEM LEGENDA. A legenda vicia o seu olhar e a sua mente para uma parte da imagem, não permitindo que você perceba com detalhes as expressões corporais das pessoas enquanto falam.
2.          Tente entender o significado de primeira – pedir ajuda não é pecado, mas é bom tentar entender o que foi dito na primeira vez. Se o seu foco é leitura, use o dicionário com menor frequência e siga o contexto, por exemplo: em inglês, You pode ser Tu/você ou Vós/vocês, o verbo regular é escrito da mesma forma, então como diferenciar Tu/você trabalha(s) de Vós trabalhais/vocês trabalham se é tudo You work? O contexto é a resposta. Na fala, recursos visuais ajudam muito. Na escrita, marcas textuais em torno do que você tiver dúvida resolverão possíveis ambiguidades.
3.          Comece a misturar – pense em 5 Verbos, 5 Nomes e 5 Adjetivos, são 455 combinações diferentes... isso só para começar.
4.          Concentre-se no aspecto central – concentre-se em entender as palavras centrais do discurso. Tentar adivinhar o que cada palavra quer dizer não dá, por exemplo, em inglês used significa usei/usado, mas somebody that I used to know não pode ser traduzido como *alguém que eu usei para saber... used to é entendido como uma coisa só costumava. Então, traduzir todas as palavras não é garantia de entendimento da frase. Entenda a ideia central do que está sendo dito.
5.          Aja como uma criança – crianças simplesmente falam, os adultos corrigem apenas o que não é adequado (diferente de gramatical/agramatical, certo/errado). Se você procura fluência em uma língua, não se preocupe com as regras gramaticais rígidas, apenas fale e, se as outras pessoas não te entenderem, as correções práticas virão.
6.          Imite os trejeitos – há idiomas que só podem ser falados com determinados gestos. Ao dizer mōshiwake arimasen (申し訳あり ません), em japonês, é costume curvar-se em sinal de respeito, não agir dessa forma pode causar má impressão.
7.          Não pense na tradução, pense na “imagem” – ao ouvir êsh (אש), do hebraico, não pense: “êsh é fogo”. Associe a palavra com a figura do fogo. Relacione a palavra nod, do inglês, com o “acenar com a cabeça, como se faz ao dar uma resposta”.
Como eu disse, o método é simples, mas não é fácil. Estou usando esse sistema e tenho obtido sucesso. Não é algo que se consegue de uma hora para outra e precisa de muita dedicação.
Abaixo, há um vídeo, em inglês e sem legenda, que reforça o que eu disse.



Muito obrigado e até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê-nos a sua opinião