sábado, 23 de novembro de 2013

Pretérito Perfeito



O nome Perfeito advém do latim: perfectum(neutro de perfectus-a-um) que quer dizer “acabado”, “completado”, i.e., podemos dizer que o pretérito perfeito exprime uma ação acabada num passado próximo.
O pretérito perfeito possui desinências definidas e é produzido na forma simples ou composta. O ato de decorar as desinências compulsoriamente foi muito utilizado nas escolas para a fixação do conteúdo. Mais que decorar, o falante deveria ser incitado a entender o que diferencia uma e outra forma de passado.
Cumpre salientar que o falante identifica o tempo em que se passa a conversa com seu interlocutor e seleciona o Pretérito Perfeito para indicar que uma determinada ação já foi concluída e utiliza a forma Simples ou Composta para expressar o ocorrido.
A forma simples é expressa por desinências da seguinte forma, 1ª, 2ª e 3ª Conjugação: Rad. + VT + -i/-ste/-u/-mos/-stes/-ram. Por indução fonética, na primeira conjugação a VT característica é o “a”, mas sofre elevação para “e” em 1s; a manutenção da VT típica com a desinência “i”, em 1s, gera a 2p do Imperativo Afirmativo. Há uma alteração da VT na segunda conjugação de “e” para “i” que se aglutina com a desinência modo-temporal; como a VT da terceira conjugação é o “i”, a crase verificada na segunda conjugação reaparece na terceira.
Pode se confundir a 1p do Presente do Indicativo com a 1p do Pretérito Perfeito nas três conjugações, é facultada a utilização do acento agudo no PP na penúltima sílaba para a primeira conjugação, que no dia a dia não é marcado. A 3p do PP é idêntica a 3p do PMQP.
O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, na base IX, 4.º, faculta o uso do acento agudo em 1p do PP dos verbos da 1ª Conjugação (ex.: apanhámos ou apanhamos). Recomenda-se, no entanto, que o acento seja mantido em Portugal para fazer distinção entre as formas não acentuadas do presente do indicativo (ex.: ganhamos).
Na forma composta vemos a repetição de uma determinada ação ou a sua continuidade até o momento de comunicação entre os falantes. A locução verbal que indica um fato ocorrido no passado e sua possibilidade de repetição até o momento atual. A formação do PP Composto se dá com “ter/haver” no Presente do Indicativo + verbo principal no Particípio Passado.
Exemplos:
Jantei com Maria semana passada.
Vimos muitos filmes este ano.
Toda esta semana tenho estudado para as provas.
Tu tens andado ocupado
Ele tem falado...
Nós temos caminhado...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê-nos a sua opinião